Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

12
Out17

Ai de mim que me arrependa

Sara Oriana

Tenho medo de dizer o teu nome ao meu coração

Porque tenho medo que possa ser outra ilusão

E adio a dor que te pertence e fujo dela como da vida

Morro mais um bocadinho e fico perdida

Tento ter controlo no mundo,

Limpo e arrumo de tudo

Como sabes bem que nunca faço

A não ser quando me despedaço

 

Tento dizer-me que estou melhor assim

E por vezes até acredito

Mas depois o vazio toma conta de mim

E a tua sombra dança pelo canto

 

Ai de mim que me arrependa digo

Porque não te posso mais ter comigo

De todas as escolhas 

Foste a única certa

 

 

 

 

16
Jun12

E pensar que...

Sara Oriana

E pensar que te deixei ir

Pensar que virei as costas

Que te pedi para partir

 

E pensar nas vezes que chorei

Pensar que me amavas

Que te larguei

 

Pensar em todos os momentos

Todos os pequenos carinhos

Todas as loucuras e sonhos

 

Pensar em tudo o que foi bom

Todas as parvas brincadeiras

Todos os abraços e beijos

 

Saber que nunca amei tanto

Saber que tudo isto não foi suficiente

Toda a paixão, todo o amor

Toda a loucura todo esse calor

 

Saber que eu não estava bem

Saber que tudo isto é absurdo

Mas que é tarde demais

Tarde para recomeçar

 

Deitei-nos nas mãos dos deuses

Com esperança que talvez um dia

Se assim tiver que ser, se assim for

Possamos começar de novo

 

Mas agora quero chorar todas as lágrimas

Sentir todas as dores, aprender

Aprender tudo o que tiver que ser

E talvez um dia, Um dia estaremos

Finalmente, prontos para lidar com tudo

Com tamanha emoção e loucura

06
Abr12

A ti que que nunca te escrevi...

Sara Oriana

A ti que que nunca te escrevi...

Não sei porquê, talvez nunca tanto senti

Talvez as palavras traíram-me ou fugiram de mim

Talvez pensei que tudo já tinha sido dito

Talvez tive medo que visses, Talvez tive medo do fim

 

Talvez estava a espera das palavras certas

Talvez de uma obra prima,

Ou achei que a minha poesia não era digna

 

Mas não é desculpa, não é desculpa a minha poesia não ser digna

Ela é como eu, ela é simples, ela é sentida, ela é desarrumada

Ela é tanto doce como amarga, ela é o esboço do que poderia ser

Ela é sonhos e amores e desamores, ela é sentimentos,

Ela é incompleta e de alguém que não é poeta

Ela é confusa, ela não é pensada, nem reescrita

As vezes rima outras não, as vezes tem forma outras não

 

Mas acho que não, Sei que não

Nunca quis proferir as palavras porque doeria demais

Doeria demais não as ouvir de volta,

Nunca quis escrever por medo de sentir

Por medo de me perder, por medo de me esquecer

 

E tu, tu que lidas com este emaranhado de mim

E me acalmas e sem dizer nada dizes que está tudo bem

Que não vai acontecer nada que vai tudo correr bem

 

E no entanto eu não quero falar, não quero escrever

Não te quero dizer, nem te quero escrever

Somente falei de ti em poemas, escrevi-te antes de tudo

Mas depois, depois de te ter comigo, faltou-me a coragem

A coragem para me entregar, a coragem para te amar

 

Por isso hoje escrevo-te, somente para te dizer

Se ainda não for tarde demais, que te amo,

Que sou tua de uma maneira que nunca fui de ninguém

E que todas as vezes que ralhei foi por saudade

Todas... Incluindo as que bati o pé, e que virei costas

Todas as vezes que não disse o que sentia,

Era porque não queria que me visses fraca... que me visses humana

 

E por tudo isto peço desculpa, porque ninguém tem mais direito ás minhas palavras

Ninguém tem mais direito as minhas lágrimas e as minhas gargalhadas

Ninguém tem mais direito ao meu coração, e de ver a minha alma

Ninguém

 

 

 

 

 

 

05
Ago09

Um belo caminho que me leva a lado nenhum

Sara Oriana

Um belo caminho que me leva a lado nenhum

Ou levaria se o seguisse, se o pisa-se, se o percorre-se

Mas eu quero percorre-lo, passo a passo, saborear cada um

E os conselhos atormentam-me, mas é como que me esquece-se

 

Começo mesmo a andar, mesmo a caminhar

Penso em tudo, e no fim, bem no fim

Sei que o vou caminhar, porque não me interessa aqui ficar

Pois mesmo assim, lado nenhum, há de ser algum lugar

 

Bom ou mau, quero vê-lo descobri-lo decifra-lo

E depois? Depois é futuro e lá logo me chateio

30
Dez07

O que as palavras querem

Sara Oriana

As palavras querem sair

Mas não tomam forma

Não querem o nada permitir

Querem ser mais que coisa alguma

Querem chorar, como o meu coração chora

Querem gritar, como ele grita

Querem acompanha-lo quando ele se for embora

 

Sem lágrimas, porque essas não as há

Pergunto-me o que de mim será,

Sem palavras com que falar

Sem coração para que possa amar

 

Ás pedras ficarei limitada

E porquê? Porque serei nada

 

Não tenham dó de mim

Porque isto não é o fim

Tenham pena de mim sim

Quando for arrastada por este mar de sargaço,

Só aí, quando não restar nenhum pedaço.

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2006
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D