Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

10
Ago09

Etérea

Sara Oriana

Sonho, sonho com tantas coisas,

Deixo as desvanecerem-se a minha volta

Quero vive-las a todas

Mas quando aparecem as que realmente quero

Hesito e deixo-as ir, tonta...

E sento-me, lamento-me e espero

 

Sinto-me perdida no meu próprio espaço

Queria sair daqui por um pouco,

Queria poder afastar-me dele só por um pedaço

Mas ele envolve-me e acompanha-me, e tudo perco

Bola de ar que torna o meu mundo lento

E cá vai mais um lamento

 

Mas eu espero, espero por outra oportunidade

Outra oportunidade de sair daqui

Uma para poder viver. Prende-me, esta tamanha liberdade

A minha vida acalma até ao âmago, e não há nada aqui

Sou consumida pelo meu mundo, consumida por mim

Eu não preciso de paz, mas intensas complicações até ao fim.

23
Mai09

Apatia

Sara Oriana

Somente o silencio me acompanha

Como uma paz sem o ser

Não só a alegria me estranha

Mas a tristeza já não tem porque aparecer

E o silencio acompanha-me

A par com o meu vazio, compreende-me

E eu, eu caminho apática

 

Mil e uma pessoas, mil e uma aventuras

E eu não quero nada, somente o silencio

Caminhar por mil e um caminhos, pequenas ruas

E na pele sentir o calor e o frio

Fazer tudo, atingir a sobrenatural calma

No entanto nada me olha, nada me chama

E eu, eu caminho apática

 

Os sonhos deixaram de existir

Mas não lhes sinto a falta

Agora caminho observando, sem nada sentir

Mas não necessito, nem disto fico farta

Sou somente o que era suposto ser

E até ao dia que morrer

Eu, eu caminho apática

04
Abr09

Azares

Sara Oriana

O azar está na minha cabeça,

Transformarei a caca de pombo em flores,

As quedas em movimentos de graça,

A chuva no futuro a esperança.

E rir-me-ei de todas estas dores

 

Preocupo-me demais, eu sei,

Sou feliz mesmo com tudo errado

Coisas estas que nunca imaginei

Mas agora olham-me porque amei

E não me arrependo de ter amado

 

Sonhos, pequenos pássaros que nos cantam

E com o seu cantar choroso nos encantam

Mas nada sou para julgar, nada sou para calar

 

Eu adoro-os, choro-os, agarro-os, eles levam-me

No seu canto já premeditado, já fadado, elevam-me

E sabendo tudo isso, jamais os deixarei de amar

19
Jan09

Amo-te

Sara Oriana

O mundo pode separar-nos as vezes que quiser

Durante o tempo que for

Que eu não te deixarei de amar

O mundo pode dar mil voltas

O céu cair e o mar rebentar,

Mas há coisas incapazes de mudar

 

Quero-te comigo todos os momentos

Quero que me abraces que me leves

Que me ames assim também

E sei que um dia, nem que seja ultimo

Vamos estar juntos, sem mais ninguém

Olhando nos olhos um do outro

Ficando assim para sempre bem

 

12
Jun08

Rapunzel

Sara Oriana

Cá ando eu, falando de areia e pedras,

De desertos em que nunca estive

Da solidão que sinto e de onde me saem as palavras

Dizendo que não sei rir, mas rindo-me do mundo...

 

Pobre criança mimada, pobre criança que nunca o foi,

Pobre da criança que pouco correu pelas ruas,

Que nunca se magoou nunca caio, pobre da criança...

Que viveu por entre palácios de cristal e tabus constantes

Em que nada mais existia para além de princesas em torres

Sereias e também guerreiras, sozinhas, lutando apenas lutando...

 

Quem me julga por não me habituar nunca à realidade?

Quem me julga por ser assim, melancólica, vazia?

Quem me julga por me rir de tudo, todos e de mim?

Quem me julga por não sentir saudade

Quem me julga por ser assim?

 

Ninguém porque não há ninguém que o veja,

Porque também não há quem seja mais feliz

Porque eu nunca soube o que é ter paz e ser petiz

E a minha força, há muita gente que a deseja,

Porque nunca aprendeu a ser um todo, ser sozinha

 

E eu o sou, todos os dias e cada vez mais

Vivo na consciência que o mundo vive cego,

Ninguém vê nada para além de batalhas ganhas

Ninguém aprendeu a cair, a enfrentar o perigo

Apenas a aclamar façanhas

 

E eu? Eu sou Rapunzel observando da minha torre

Esperando, o nada que há de vir,

Vivo sonhando, Vivo amando o que o meu olhar acolhe,

Esperando um dia, partir.

01
Mar08

Distante

Sara Oriana
Cá me encontro outra vez, no mais puro alvorouço
Porquê? Sei lá! Apenas sei, que não sei, que não quero
E recuso-me a fazer algo que me obrigue a algum esforço
Porquê? Sei lá!Apenas não sei o que deveria querer e espero...

E se me perder por ai? Se me perder, perco-me contigo
Mas também não sei! Não estás aqui!
E de toda esta tormenta, acabas sendo meu abrigo.
Mas volto a não saber! Queria-te aqui...

Que maldito tormento este,
Que maldito destino agreste,
Que sopro maldito,
Mas quero-te tão perto!

E por fim, sei que te amo
E no meu sonho, te espero.

Com o vento arrastando os meus longos caracóis castanhos
Com meu vestido branco dançando ao vento
Comigo, olhando o Horizonte
Olhos postos nos meus sonhos...
Apenas te querendo aqui, por perto...
E tu, que não me encontras, apenas ouves o vento sunsurrar, amo-te.
25
Fev08

Para ti

Sara Oriana

Um momento que voa...

Mais um que ai vem,

Apenas a distância me magoa

Essa maldita sabotadora

Que me inspira também...

 

Mas tu, anjo que tanto me inspiras

Que entras nas minhas sinfonias

Que pairas no meu pensamento

Que com um beijo me tiras

Os tormentos, dando-me alento

 

Mereces mais que esta pobre mendiga

Esta criança que chora por dores de barriga

Que é o puro exagero ,o puro tudo nada,

Mas no entanto, não deixas de me fazer sentir amada...

 

E digo-te mais, sou grande sortuda

Dos teus azares, já não sei se sou culpada

Se não me der de todo, darei parte,

Pois por tudo isso quero compensar-te

 

Serei para ti, sempre eu, sempre única

E caso te vir a perder

( O que espero não acontecer nunca)

Quero poder lembrar e ver

Que te sentis-te o maior sortudo

Por, um dia, teres feito parte do meu mundo...

16
Jan08

Deusa

Sara Oriana
Bamboleio-me suavemente pelo mundo
Por entre os meus caracóis castanhos
E num momento sou tudo
E atraio os olhares de estranhos

Continuo a vaguear, caminho e caminho
Tudo me parece um sonho
Nada existe, nada sinto, nada!

Tal e qual deusa, sou idolatrada, mas não amada
Tal e qual deusa, me vêm como inatingivel e forte
Mas sou dona da minha vida e não da sorte
Teci uma teia que me condenou a caminhar
O mundo amar, o mundo sonhar
Mas mais nada sentir
E ver tudo partir...

A cada dia reina um sorriso em mim
Mas a noite, chega no fim
E me mostra a crua verdade
Vivendo assim com saudade da saudade
Com lágrimas sem razão
Com a razão e sem coração

No dia seguinte sou deusa outravez
Ignoranto a minha pequenez
E sorrio e danço com o vento
Descanso deste insano sofrimento...
08
Jan08

O Piano

Sara Oriana
Eu quero sentir cada nota
Cada som que me percorre a alma
Quero viver esta pauta
Quero reinar nesta calma

Piano que tocas para mim
Não me oiças, não pares
Não me deixes na espectativa
Continua a soar assim
Pois tocar-me é o que queres
Queres que por ti eu viva

E mesmo que não quisesses, viveria
E se não mais tocasses, morreria

Porque tu és a unica paz de que gosto
Oh... e como te amo
Por isso assim insisto
Conquisto-te, conquistas-me
Toco-te, amando-te mesmo
E assim tu me tocas

Com o teu som belo e envolvente
Aquela bela suavidade quente
Tu sorris a meu lado
Tu lamentas pelo meu passado
Tu amas comigo, tu choras pelo meu amigo

E esta noite, tocarás para as estrelas
Esta noite, tocarás para o vento
Tudo porque elas são belas
E por este simples momento.
20
Nov07

O Sonho

Sara Oriana
Lua embala-me no teu regaço
Faz-me sonhar faz-me relembrar
Do calor do seu abraço
Pois nada fez o tempo parar...

E perdida num sorriso sonhador
Me quedo, sem restias de dor
Sonhando, simplesmente sonhando
No cantar do vento me vou perdendo
Ele enlaça os meus cabelos
E estes, suavemente, voão
Os meus olhos fecham-se

E lá estás tu sorridente
Passando-me a mão pela cara
Com aquele sorriso tão quente
Que tanto me aquece a alma...

Aproximas-te mais um pouco,
Tocas-me de leve nos lábios
E quebras o meu sufoco

Ali ficamos, perdidos
Esquecidos...

E de repente, o vento descontente
Surpriende-me com uma rajada
E eu acordo sobressaltada
Agora, quedo-me vazia e sem graça
Chorando sem chorar a dor que não é dor
Lembrando-me ainda daquele sabor
E a saudade lá me enlaça
Mas eu não me queixo, nem me importo
Embora não saiba o que possa acontecer
Tudo isto vale por cada momento
E perfiro este doce sofrimento a te perder...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D