Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

10
Mar16

Desapareço...

Sara Oriana

Tu, belo e sereno, levando a vida

Com o teu transbordar de charme

Com o teu cigarro e a tua bebida

Como se o mundo teu fosse

 

E eu aqui já meio desaparecida

Quero virar mesas e partir pratos

Vês , apenas, como mais um dos meus prantos

E não vês, estás cego com o mundo do nada

 

E eu não viro os pratos nem as mesas,

Mas matuto, e se o fizesse?

E se virasse o mundo gritasse e chorasse?

Ver-me-ias? Aperceber-te-ias?


Serei eu o problema? Serei eu a falar demais

Serei eu a ser demais a sentir muito mais?

Dizes ser normal, tudo ser normal

Que com o tempo as coisas acalmam, não há mal

 

Serei demasiado dedicada? Estarei a sufocar-te?

Terei eu me desleixado? Terás tu te acomodado?

Milhares de perguntas que me atravessam a mente

Terão as palavras acabado? Desapareço...

 

26
Jan16

Beijo

Sara Oriana

Olho-te, o meu coração pára por um momento,

O tempo deixa de ser tempo, os teus olhos

Gigantes castanhos prendem-me, estás perto

Sinto a tua respiração, disparam-me os sentidos

 

A tua mão pega-me cuidadosamente na face

Os meus lábios abrem-se num sorriso leve

Tu aproximas-te, os teus lábios tocam-me

Na bochecha, timidamente

Carinhosamente, eu beijo-te

 

E o tempo pára, o mundo pára,

O meu coração dispára

A pele arrepia-se, transformo-me em calor

Desejo, Um carinho, verdadeiro amor

Sinto cada toque cada carícia

 

Puxas-me para ti pela anca

Passo a mão nos teus cabelos,

Que isto não páre nunca!

Fogo, Desejo, Amor,

Tornamo-nos.

 

 

 

25
Nov12

Percebi

Sara Oriana

Hoje Não quero saber, simplesmente

Estou Feliz, estou feliz porque percebi

Finalmente, Que não quero saber

Estou farta de tudo o que sinto e senti

Do que vejo e do que não vejo

 

Hoje estou feliz, porque percebi

Percebi que enquanto existir um sorriso

Terei certamente tudo o que preciso

Um coração quente porque sorri

Outro porque alguém lhe sorriu

 

Estou farta de lamentar as minhas desgraças

e de me esquecer de todas as outras coisas

 

Haverá sempre maus pedaços, e confusões

Haverá sempre más pessoas e corrupções

Mas também haverá boas pessoas e amores

E vidas e ajuda e abraços beijos e flores

Haverá sempre trabalho acabado e por fazer

 

Por isso, desculpem, mas não quero saber

Ajudarei quem poder ajudar irei sorrir

Irei dar o que tenho de melhor, por isso

Deixem-me sonhar viver e rir

 

Hoje não me preocuparei mais 

Com problemas com solução...

14
Mai10

Olhei-te

Sara Oriana

Um dia olhei-te, e de tão simples que eras, olhei-te uma segunda vez.

Foste-me indiferente sem o teres sido alguma vez.

Falaram-me de ti sem saber quem tu eras.

Falei de ti sem saber quem tu eras.

E na minha ignorância inocente achei-te novamente insignificante

Conheci-te por fim, sem me lembrar de ti, ri-me contigo, brinquei contigo, e preguei-te um estalo, em tudo isto não sofri nenhum abalo.

Mostrou-me então o lápis o caminho, eu não percebi, e achei piada.

Olhei-te por fim então, ficando encantada.

Mais tarde soube quem eras, todas as belas coincidências insanas, simplesmente sorri, abracei-te e fui por ti embalada

 

Amo-te

 

 

 

 

 

 

26
Mar10

sonho/pesadelo

Sara Oriana

Sou tão feliz quanto poderia ser triste

E de tão feliz, que esta me esconde e mente

Sou todos os dias anestesiada por esse amor

E esse amor mente-me e diz, acabou-se a dor

 

Mas eu, bem no fundo, sei que não

Sei que nas noites mais negras e escuras

Quando a paixão se acalma, e vem a solidão

Assombrar-me-ão essas dores esquecidas

 

Não haverá lagrimas, não haverá gemidos

Somente a ausência de luz e o silencio

Adormecerei então embalada pelos pesadelos

 

Acordarei mais tarde, de novo para um sonho

Beijar-me-às a testa e a boca, voltará a paixão

Serei então eu, feliz, levando a mim e a ti pela mão

27
Jan10

Mundo nosso

Sara Oriana

És o ar que me passa pelos pulmões

Que me alimenta o sangue,

Esse que me pulsa nas veias

E que leva ás minhas pulsações

 

E sabe tão bem o teu toque

Sabem tão bem as tuas caricias

Devolves-te-me o que achava perdido

Fizes-te das minhas trevas, um paraiso

 

O meu cavaleiro negro, o meu, só meu

Envolveste-me numas doces brumas

Essas que dão uso á minha luz

 

Não passas tu sem a minha luz,

Como eu sem essas trevas

Que belo sonho este, que é tão meu e teu

09
Nov09

Cavaleiro Negro

Sara Oriana

Caminhava eu pela penumbra,

Sonhado, Lutando e Iluminando tudo

Quando fui atraída por um sorriso,

A esperança, admiração, entrega

 

Uma alma lutadora, que caia no breu

Tão torturada, tão arrasada,

Que de força lhe restava quase nada

Mas mesmo assim, almejava o céu

 

Meu cavaleiro negro, deixa-me abraçar-te

Deixa-me pegar-te e para longe levar-te

Curar-te cada ferida, cada dor, deixa-me amar-te

Olha-me como só tu me consegues olhar

Acarinha-me e ama-me dessa mesma forma

Nunca foi tão doce sonhar

 

Meu cavaleiro negro, acompanha-me,

Agarra-me, leva-me contigo, ajuda-me

Dá-me um lugar seguro que não seja feito de aço

Que não me esfrie a alma, Dá-me um que me aqueça

Que me acarinhe, que me pertença

 

Salva-me da minha frieza, da minha sobriedade

Ensina-me a sonhar a acreditar, ensina-me a amar

E fica assim comigo, agarrado a mim

Perdendo-nos um no outro enfim

 

 

01
Out09

O virar da página

Sara Oriana

Dispo-me por fim de toda esta amargura

De todo este amor sem doçura,

Hoje vejo, hoje sei, que um dia te amei

Mas hoje não, não mais, viro a página por fim

 

Não a viro com ódio, não a viro com despeito

Não a viro também com felicidade, viro-a sim

com o mais profundo respeito

 

Porque sei que no fundo, és parte de mim

Pois há paixões que duram pouco ou nada

Outras que corroem, parecendo a vitima condenada

E por fim, as mais fortes, aquelas que podem ser

Que podem durar, mas por algum motivo,

Acabamos por as perder.

Essas duram enquanto o ser for vivo

 

A forma como nos tocam, como nos afastam de nós

Da nossa razão, fazendo tudo em prole do outro

Fazem-nos perceber tanto acerca do que somos

Que quando passa a amargura, somos um espectro

Do que um dia fomos, para que possamos crescer

 

Esses ensinamentos levamos connosco,

jamais os iremos esquecer

São nos gravados na pele, com admiração, e com amor

Limpam-nos por dentro, e por fim, nascemos de novo

 

Ou nascemos enfim, abrimos os olhos finalmente

E damos valor ás grandes e pequenas coisas

Aprendemos que o tempo e escasso, que a juventude mente

E que somente se tivermos outra paixão

Uma terrível paixão por nós, e pelas pequenas coisas esquecidas

Viveremos em paz, e podemos voltar a abrir o coração

 

Hoje não te amo, mas guardo-te, e assim ficarás comigo

Como alguém que eu profundamente admiro, que apesar da magoa

Jamais esquecerei, porque também é meu amigo

Hoje sei, por fim, já não haverá por ti mais nenhuma lágrima

28
Set09

Tormento

Sara Oriana

O tormento que me deixas-te dura e dura

Vivo lutando contra esta tormentosa tortura

Todos os dias me perco e me encontro

Não há um dia no qual não te ame ou não te odeie

Tento desenterrar tudo o que me enterraste cá dentro

Quando acho que finalmente te expurguei

Deparo-me tardiamente, que não passa de outra ilusão

Tu pareces estar-me infiltrado nas veias,

Parece que me envenenas-te com uma tremenda precisão

Um veneno que não me mata de todo,

Mas que me leva sempre a maior parte

Como não há mais nada, sou teimosa e sou forte

Levando assim ás costas um mundo bem pesado

Porque se não o agarrar, se não o segurar bem

Perco tudo, e a razão também

24
Mai09

Sombras

Sara Oriana

As sombras da casa caiem sobre mim

Desabrocham por todos os cantos

E eu? Eu vou chorando por fim

Sussurram coisas doces, encantos

Falam-me da beleza do passado

E o meu coração dói ao ficar apertado

 

Jorra-me um rio de lágrimas

Jorra-me um sem fim de tristezas

E elas continuam a nascer

Como flores pelos cantos,

Tornando ainda mais difícil te esquecer

Flores negras, relembrando-me de momentos

Amaldiçoadas, envolvem-me no breu

Com uma bela canção acerca do que foi meu

 

A dor alastra-se e eu tremo, soluço, encolho-me

Berro sofrida, escondo-me e abraço-me

Agarro o peito como que alvejada

Mas não o fui não está lá nada

Depois acabo por sossegar, conformada

Relembrando-me que apesar de tudo fui amada

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D