Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

06
Abr09

Amo-te(e pago por isso)

Sara Oriana

Amo-te tanto, E sei também que não devia

Não devia amar-te assim, não devia perdoar-te assim

Não devia pensar sequer em ti, relembrar-te muito menos

Mas assombra-me tudo isso que eu queria

Estou perdida, sinto-me sem vontade e sem fim

Nem pensas em mim, e tu até estás nos meus sonhos...

 

A raiva que me jorra no peito, não é mais que mágoa

Revolta porque me iludis-te até ao fundo, até ao ermo

Tenho-me a mim, a minha mísera vida, e mais nada

Sou a pobre coitada porque me tomas, isso mesmo

Sim sou isso, arrogante e insegura, até ao âmago

O fel que se instalou na minha garganta não mente

Sou perversa, louca, mas humana, e demasiado crente

 

Terei que pagar por querer na minha vida um pouco de luz?

E vou pagando, como pago, pago com sangue, carne e osso

Que mais tenho eu para além disso? A beleza do mundo que me seduz?

Pago também, deixando de a ver, Tudo isto é demasiado precioso

Para mim, pelo menos para mim. E desafio, o resto

Será por isso? Com certeza, com certeza que nem presto.

 

E nem sei, pobre de mim, sou cega

E continuo a amar-te, amar-te cegamente

Nem quero ir, nem penso que já chega

Apenas sonho ter-te para sempre

Que voltes, amando-me, como talvez nunca o tenhas feito

Salvando-me desta dor que me consome, um acaso perfeito

 

Mas nada, continuo a pagar com o que sou por ti

Amando-te demais para suportar não te odiar

E espero, como uma devota, ansiosa, aqui

Sei que não virás, isto mata-me, sou louca por aqui continuar.

Mas temo a ideia de não te voltar a tocar

Quando ela me alcança, berro, enlouqueço, arranho-me, mato-me

Eu sou uma pobre coitada, eu sei, tu não virás salvar-me...

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D