Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

28
Mai08

Ermo do Abismo

Sara Oriana

Tenho uma enchorrada em mim,

Palavras que se querem soltar

Porcaria que se quer desprender por fim

Mas que nunca sai, nunca....

 

Estou no ermo da minha propria sanidade

Por isso se perder o sentido do que digo,

Nada de novo, nenhuma novidade,

Já não me importo, sou menos que mendigo,

Porque a dádiva de saber pedir, a humildade precisa

Nunca a tive, e estou completamente perdida...

 

E de desespero peço a anjos que não estão lá,

Peço às pedras que me agarrem, à água que não me leve

Às estáticas árvores que me prendam com as suas raizes

Mas nada acontece, e a minha sanidade fica tão breve,

Como a vida nos faz isto sendo nós meros aprendizes?

 

Choro... Choro tanto, por mim, apenas por pena

Pena do que sou, do que sinto, do que penso e não penso,

Do que poderia ser mas não sou, pobre menina...

A vida é um tedio... Tédio?! Como pude dizer isso!!!

Estou tão cansada...sinto-me destroçada...perdida... quero descanço!!

 

Mas não...descanço?! Descanço é para os inválidos!

Porque esses já têm problemas que cheguem...

No fim ninguém tem paz. é mera utopia...

Não vá... é passageira... para depois ficarmos doidos!

Não há doença para tanta gente, nem nome, mas esperem...

É igual para todos... vá depressões para toda a gente! Que alegria!

 

E cá ando eu num mundo de doidos, em que ninguém o pode ser

Porque se o for...ai ai!... hospício com ele, que só cá queremos gente sana

Cleopatras, Hitlers e Napoleões, já nos bastou um de cada,

Gente que se tenta matar, pobres coitadinhos, vá comprimidos para cima,

Pode ser que não morra da doença, morra da cura...

 

E calma... as vezes o hospicio pode ser realmente a cura,

Pois lá eles são loucos, e de loucos para loucos, o mundo é sano...

Agora aqui? Aqui é catastrófico, e estranho....

 

E eles dentro da sua loucura são felizes,

E nós? Que não somos, e que nos iludimos todos os dias?

Criamos laços,... raízes...

Temos tudo, mas no fim não temos nada...

Vai-se tudo numa rajada...

 

3 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2006
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D