Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

22
Out07

Certezas...

Sara Oriana
Calada, Sensurada, Remendada
Jugada para um canto
Um dia perdida num encanto
Hoje, nem sei
Certezas? Apenas que te amei...

Já nem comigo consigo falar
Apenas tenho conversas de outro patamar
O mundo andou, eu andei
O sentimento ali ficou
E eu simplesmente o ignorei

Practica, Objectiva, Decidida
Com o mundo a meus pés
Mas perdida num talvez
Da inexistente despedida...

Sonhos, que belos foram
Agora, apenas a realidade me engrandece
O amor, comigo apodrece
E um farrapo de coração

Bela demais para sofrer
Inteligente demais para me perder
Fraca demais para te esquecer

Mas orgulhosa demais para admitir
Que só tu me fazes rir
E quanto mais longe te vejo
Mais te desejo

Mas há disciplina fiquei rendida
E assim, vá lá, me distraio
Mas por ti, até a mim me traio
Que raio de sorte bendita!
18
Out07

Brisa

Sara Oriana
Brisa que me tocas de leve
Leva daqui a minha mágoa
Tras-me a paz que nunca tive
Faz transbordar lágrimas desta lagoa
Tira este sufoco de mim
Põe a este tormento um fim
E vira esta página da minha vida
Da mesma forma que o fazes com o meu caderno
Não quero mais estar perdida
Quero um sonho doce e ameno

Levemente, Suavemente
Leva-me e não me tragas de volta
Tu que és tão suave
Tira-me simplesmente daqui
Liberta-me desta saudade

Mas no fim acabo sempre por pensar em ti
E este sonho perdido
Não me liberta, não me deixa
Culpa da brisa que se desleixa
E na docura de um sonho
Perco-me a mim, perco-te a ti
Porque a realidade é bem diferente
Porque a realidade é aquilo que sinto e já senti
Em eu choro e grito, num mundo inexistente
Mas aqui, apenas te observo
Cada vez mais distante
E no meu caderno assim o descrevo
Este amor tão desgastante...
07
Out07

Luz e Sombra

Sara Oriana
Demónio que me sunsurras
Que me tentas e me seduzes
Que nas sombras me procuras
E que me apagas todas as luzes

Mente-me uma unica vez
Olha-me uma ultima vez
Perde-te em mim
Mata-me por fim

Porque na tentativa fracassarás
Porque na tentativa socumbirás
Morto pelo meu veneno
Que é tão doce e ameno

Mas curruir-te-á
Porque no processo cegar-te-á
E eu te enlaçarei no meu abraço
E perder-me-ei no teu enlaço

Pois sendo eu luz e tu sombra
Estinguirnos-e-mos um ao outro
Num choque de luminusidade e penumbra
E depois da explosão, restará apenas um sopro...
05
Out07

A minha masmorra

Sara Oriana
De tanto pensar e de tanto julgar
Acabei por me perder nesta masmorra
Até me impedi de sonhar
E ao tentar pôr, cada vez mais, os pés na terra
Acabei caindo num poço

Poço não, calaboço
Porque os poços têm saida
Neste , construi-o e meti-me cá dentro
E neste plano perfeito
Fiquei perdida.

Agora pereço porque o sol não brilha
Agora arrefeço, e apodreço
O meu coração congela,
E quanto mais me tento impedir de errar
Mais o faço, sem cessar

Ediondo caracter, este que criei
Nem me reconheço!
Mas agora jámais o repetirei
Pois o que não me esquecerei, é este preço
O preço que tive de pagar
Por tentar me controlar

Mas agora porei, por fim, uns pontos nos "i"s
Pois agora, partirei as ridiculas barreiras
Eu sou bem mais forte que elas
E conquistarei, por fim, o que sempre quis
Sem regras e longe da convenção
Viver, muito para além da razão.
01
Out07

Mar de lágrimas

Sara Oriana
A chuva vai caindo lá fora
E eu observo-a e emito-a
Chorando, Esperando apenas uma hora
Em que tudo isto pare.

E a cada  lágrima que me cái, sinto-a
Sinto-a não simplesmente na pele
Mas como um punhal, que me corta devagarinho
E sinto um aperto, e um palpitar de mansinho

Que dia cinzento este,
Tão melhor que o meu coração negro e triste,
Pois a água da chuva lava e purifica
As minhas lágrimas apenas mostram o quão estou caida

O passar das horas pesa me tanto
E a chuva apenas marca cada momento
Como se me condena-se á morte
E no entanto, o meu maior alivio seria o fogo, ou a forca

Pois morrer não morrerei
Mas  também não sei se me encontrarei
No meio deste mar de lágrimas, mesmo sabendo nadar
E tudo isto por um dia te ter chegado a amar

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D