Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

Simples Poemas

Este blog é um local onde partilho os poemas que vou criando, faço-o por puro prazer e diversão. Posto um pouco de tudo, principalmente acerca de sentimentos, emoções e momentos.

13
Jun07

A sensação condenada

Sara Oriana

Caminho sobre estilhaços

Encontrando todos os pedaços

Que deixei, e que não quero de volta

Mas eles teimam em regressar

E o meu coração começa a pulsar

Uma sensação que julguei morta...

Quero arrancá-la

Quero afastá-la

Mas os pedaços teimam em vir

E eu não a deixo de sentir

Uma sensação já por si condenada

Um sentimento amaldiçoado

Que me arrazará, e não deixará mais nada

Pois nasceu acabado

Quase que desesperei

Quase que já chorei

Porque sei a distância que me aguarda

E que me é destinada

Mas sonho apenas com o momento

Não me importando sequer com o sofrimento

Esse que virá para lá do Verão

Arrazando,uma vez mais,o meu coração...

 

09
Jun07

Liberdade

Sara Oriana
O que é a liberdade?
Posso ser livre, de algum modo
Mas a minha própria sobriedade
Me prende de todo...

Palavras, meras palavras
E sentimentos, meros sentimentos
Nos arrastão para maravilhas
E afundam-nos em tormentos

Escolha? Qual escolha temos?
Criarmos raizes e afundarmo-nos na terra
E desta forma morrer-mos
Ou deixamo-nos aventurar nesta selva
E assim sofrer-mos

No fim acabamos por amar
Com sorte seremos amados
Apenas temos liberdade de sonhar
Com dias mais ensolarados
07
Jun07

Renascer

Sara Oriana
Tal como o sol renasce
Depois de uma tempestade
Eu renasci
Com sede de verdade

O sangue corre-me quente nas veias
Sentido o mundo, lutando por mim
Já não me conformo em observar por janelas
Já não desejo nenhum fim

Estou farta de esperar algo
Quero verdade, quero honestidade
Quero saber quem está comigo
Quero sentir a minha liberdade

Não quero ser mais a vitima da tempestade
Quero ser a sua causadora
E luto por isso com ansiedade
Sou uma eterna lutadora

Posso não saber se alguma vez fui amada
Mas sei que serei sempre admirada
E se já não o sou agora
Se-lo-ei na proxima hora

Se a disciplina antes não me dumou
Jamais me dumará agora
A fraqueza, hibernou
E agora ninguém me mandará embora!

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2007
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2006
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D